Chuva de Arroz
 

“Não importa o tipo de casamento: todos são emocionantes”. Seguindo este princípio, o programa Chuva de Arroz, do canal GNT, retrata as formas mais diversas de celebrar este ritual. O programa conta a história dos casais desde o momento que se conheceram e acompanha as suas expectativas até a celebração. “Na verdade, procuramos contar uma história de amor”, afirma Rodrigo Ponichi, diretor do programa.

A ideia nasceu da união da sua produtora de TV, Plano Geral, ao trabalho de sua irmã, Neca Ponichi, que era produtora de moda e hoje também dirige o programa. Há alguns anos, eles resolveram produzir vídeos de casamento. O potencial do mercado os surpreendeu: em quatro meses, fecharam a agenda de trabalho para o ano todo.

Com imagens e histórias nas mãos, resolveram propor o programa ao GNT. O projeto era promissor por tudo o que oferecia: a bela produção estética que envolve os eventos, as famílias se encontrando, as histórias dos casais, a escolha do vestido, o stress da noiva. “Foi fácil produzir o programa piloto, mas me perguntava: será que vou fazer um programa muito cafona?”, lembra o diretor.

Ao contrário: bonito e bem produzido, o Chuva de Arroz emplacou. Terminou de exibir a quarta temporada - uma por semestre desde 2012.

Ponichi conta sobre os bastidores.

Os noivos são escolhidos pelas inscrições no site da emissora e pela pesquisadora Julia Nordelo, que busca histórias bacanas, com bons personagens. “Já fomos atrás dos casamentos mais improváveis: debaixo da água, com salto de paraquedas etc. Também contamos histórias de superação”.

Apesar de terem de três a quatro meses para pesquisar, o diretor conta que o tempo é apertado para selecionar 24 casais por temporada. A escolha dos noivos envolve uma conjunção de fatores, desde suas próprias histórias até os locais da cerimônia – que pode ser em Fernando de Noronha, no Copacabana Palace ou numa comunidade no Rio de Janeiro.

Fanichi revela que nem tudo vai para o ar. “Somos amigos da noiva, antes de mais nada”, comenta, com bom humor. Ele conta que em uma das gravações, uma chuva torrencial destruiu o toldo da cerimônia e molhou os convidados. “A noiva ficou muito triste e, claro, não exibimos o seu casamento”.

A gravação do Chuva de Arroz vai até a cerimônia. O programa grava apenas algumas imagens do início da festa para mostrar com os créditos.  A produção toda envolve 15 pessoas. Uma das últimas inovações é retratar casórios fora do Brasil, os chamados destination weddings. “A própria viagem é uma celebração. O casamento, afinal, dura cinco dias”.

O sucesso de Chuva de Arroz pode ser medido pela reação do público. “Uma noiva vendeu o seu vestido na semana seguinte. Foi procurada por três pessoas”, conta o diretor. Por essas e outras, há um espaço no site do programa para listar os fornecedores de cada casamento.  A música tema do programa, Pra Sonhar, de Marcelo Jeneci, também tem tocado muito nas cerimônias pelo país, segundo Fanichi.